Visão Acadêmica do Estudo da História

Alunos e Professores na contribuição e disseminação da História como ciência.

Positivismo - Conceito

09/30/2009

 Para entender o assunto para o trabalho de Filosófia é necessário entender o movimento POSITIVISTA, então segue:

Positivismo é um conceito que possui distintos significados, englobando tanto perspectivas filosóficas e científicas do século XIX quanto outras do século XX. Desde o seu início, com Augusto Comte (1798-1857) na primeira metade do século XIX, até o presente século XXI, o sentido da palavra mudou radicalmente, incorporando diferentes sentidos, muitos deles opostos ou contraditórios entre si. Nesse sentido, há correntes de outras disciplinas que se consideram “positivistas” sem guardar nenhuma relação com a obra de Comte. Exemplos paradigmáticos disso são o Positivismo Jurídico, do austríaco Hans Kelsen, e o Positivismo Lógico (ou Círculo de Viena), de Rudolph Carnap, Otto Neurath e seus associados.

Para Comte, o Positivismo é uma doutrina filosófica, sociológica e política. Surgiu como desenvolvimento sociológico do Iluminismo, das crises social e moral do fim da Idade Média e do nascimento da sociedade industrial - processos que tiveram como grande marco a Revolução Francesa (1789-1799). Em linhas gerais, ele propõe à existência humana valores completamente humanos, afastando radicalmente a teologia e a metafísica (embora incorporando-as em uma filosofia da história). Assim, o Positivismo associa uma interpretação das ciências e uma classificação do conhecimento a uma ética humana radical, desenvolvida na segunda fase da carreira de Comte.

 

Método do Positivismo de Augusto Comte

O método geral do positivismo de Auguste Comte consiste na observação dos fenômenos, subordinando a imaginação à observação (ou seja: mantém-se a imaginação), mas há outras características igualmente importantes. Na obra Apelo aos conservadores (1855), Comte definiu a palavra “positivo” com sete acepções: real, útil, certo, preciso, relativo, orgânico e simpático. Duas características são hoje reconhecidas por todos: a visão de conjunto, ou o holismo (”orgânico”), e o relativo (embora haja uma curiosa e extremamente difundida versão que afirma que o Positivismo nega tanto a visão de conjunto quanto o relativismo). Mas, além disso, o “simpático” implica afirmar que as concepções e ações humanas são modificadas pelos afetos das pessoas (individuais e coletivos); mais do que isso, em diversas obras Augusto Comte indicou como a subjetividade é um traço característico e fundamental do ser humano, que deve ser respeitado e desenvolvido.

A idéia-chave do Positivismo comtiano é a Lei dos Três Estados, de acordo com a qual o homem passou e passa por três estágios em suas concepções, isto é, na forma de conceber as suas idéias:

Teológico: o ser humano explica a realidade apelando para entidades supranaturais (os “deuses”), buscando responder a questões como “de onde viemos” e “para onde vamos”; além disso, busca-se o absoluto;

Metafísico: é uma espécie de meio-termo entre a teologia e a positividade. No lugar dos deuses há entidades abstratas para explicar a realidade: “o éter”, “o povo” etc. Continua-se a procurar responder a questões como “de onde viemos” e “para onde vamos” e procurando o absoluto;

Positivo: etapa final e definitiva, não se busca mais o “porquê” das coisas, mas sim o “como”, com as leis naturais, ou seja, relações constantes de sucessão ou de coexistência. A imaginação subordina-se à observação e busca-se apenas o relativo.

Espírito positivo

Na obra “Discurso sobre o espírito positivo” (1848), Comte explicitou que o espírito positivo é maior e mais importante que a mera cientificidade, na medida em que esta abrange apenas questões intelectuais e aquele compreende, além da inteligência, também os sentimentos (ou, em termos contemporâneos, a subjetividade em sentido amplo) e as ações práticas.

A Religião da Humanidade

Auguste Comte preocupou-se com a constituição de um sistema de valores adaptado à civilização industrial que então começava (início do século XIX), valorizando o ser humano, a paz e a concórdia universal. Para desenvolver esse sistema procurou fundar a Sociologia e, para tanto estudou as ciências “abstratas”. Esse foi o trajeto do pensador no período 1826-1842, com o seu Sistema de Filosofia Positiva.

Segundo Comte, o ser humano é “total”, isto é, uma realidade completa e o seu sistema deve referir-se à totalidade humana: afetiva, intelectual e prática, individual e coletiva etc. Comte concluiu - na obra Sistema de Política Positiva (1851-1854)- que deveria criar uma religião: afinal, para ele, as religiões não se caracterizam pelo sobrenatural, pelos “deuses”, mas sim pela busca da unidade moral humana. Daí a necessidade do surgimento de uma nova religião que apresenta um conceito positivo e humano de ser supremo, a Religião da Humanidade. Portanto, a religião positiva não é ateísta, pois professa a crença em um ser supremo abstrato mas real, sendo uma religião completa, possuindo além de um culto elaborado, doutrinas, dogmas e regime. Comte foi profundamente influenciado pela figura de sua amada Clotilde de Vaux

Arquivado em: Sem categoria I

1 Comentário »

  1. Comentário por luciana arruda — 10/5/2009 (13:07:11)

    Francisco ñ sei se vc já sabe, achei que devia avisar, vc ñ foi mais para a funeso porisso´achei que devia, hoje nem amanhã haverá aula,quarta feira tem a prova do jobi,(civilizações egipcias.

Deixe um comentário

Feed RSS dos comentários deste post. URL de TrackBack

Report abuse Close
Am I a spambot? yes definately
http://fazendohistoria.blog.terra.com.br
 
 
 
Thank you Close

Sua denúncia foi enviada.

Em breve estaremos processando seu chamado para tomar as providências necessárias. Esperamos que continue aproveitando o servio e siga participando do Terra Blog.